SENCIENTE:

1. adj. 2 gén. que tem sensações; sensível.
(Lat. sentiente) in Dicionário da língua Portuguesa, Editora, 5ª edição
2. adj. que sente; que tem sensações.
(Lat. sentiens ) in Dicionário Cândido de Figueiredo, 1913

SENCIÊNCIA:

Senciência é a "capacidade de sofrer ou sentir prazer ou felicidade". [1]
[1] SINGER, Peter. Vida ética: os melhores ensaios do mais polémico filósofo da actualidade.
Rio de Janeiro: Ediouro, 2002. ISBN 850001055X. P. 54
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Ainda não foi criado nenhum conteúdo para a página inicial.

Como diz que disse...?

Sexta, 18 de Janeiro, 2013

Como diz que disse...?

Querem pôr-nos doidos. Só pode ser essa a explicação. Ou então, há um grande surto de Alzheimer no Governo.

O que me espanta é não haver ninguém que aconselhe os nossos governantes, já que sozinhos só dão tiros nos pés, a não dizer determinadas coisas ou dizendo-as não as desdizer uns meses ou uns anos depois.

Está bem, pronto, já sabemos que ainda não houve uma coisa que tivesse sido dita, desde o programa eleitoral, que tivesse sido cumprida. Hoje é azul, amanhã é amarelo, depois logo se vê para onde está virado o vento.

Ainda noutro dia, leia-se Dezembro de 2011, o Primeiro-ministro dizia ao povinho para emigrar, e vem agora dizer, em Janeiro de 2013, ainda por cima no estrangeiro, que nunca ninguém disse tal coisa…!

Será Alzheimer ou descaramento…?

Eu já estou como o Astérix… Estes governantes são doidos.

AUTOR: Filomena Marta

Uma “ditadurice” aguda?

Quinta, 17 de Janeiro, 2013

Está-se nas tintas para o eleitorado e não se coíbe de ser claro a esse respeito. E se não fosse uma grande falta de respeito por quem o elegeu, até lhe poderíamos chamar coragem… ou estupidez. Não é nem uma, nem outra. É, parece, um caso grave de “ditadurice” aguda.

Os sinais são frequentes, às vezes praticamente diários, até aqui apenas revelados em frases no meio de discursos dirigidos não se sabe a quem, porque se a ideia é dirigi-los ao povo as coisas não estão a correr nada bem.

Observando as atitudes recorrentes, poderíamos ficar na dúvida entre a “ditadurice” e o autismo puro e simples. Autismo, por não se aperceber que toda a sociedade está contra, tout court. Contra tudo o que é feito e dito. É, no mínimo, um fenómeno estranho este alheamento.

AUTOR: Filomena Marta

Desilusão

Segunda, 14 de Janeiro, 2013

​Estou triste. Ontem, Domingo, tive uma desilusão inesperada. Um homem que respeito e admiro, que escutava religiosamente, chocou-me ao ponto de não continuar a assistir ao seu comentário e mudar de canal. Não esperava o que escutei. Tinha-o por homem lúcido e civilizado. Mas de repente ouvi sair da sua boca uma frase que já tinha escutado a alguém que me merece menos respeito, e isso chocou-me. Que aquele homem se pudesse assemelhar a outro. A frase usou uma palavra mais elegante, onde o outro usou “asqueroso” este usou “hediondo”, mas manteve a profunda arrogância da opinião.

Um homem que eu admirava disse que “o ser humano mais hediondo vale mais do que qualquer animal”. Não achei possível, mas depois lembrei-me do que se aprende logo no primeiro ano da Faculdade de Direito:

- O que é mais importante, o Direito ou a Justiça?

AUTOR: Filomena Marta

Páginas