SENCIENTE:

1. adj. 2 gén. que tem sensações; sensível.
(Lat. sentiente) in Dicionário da língua Portuguesa, Editora, 5ª edição
2. adj. que sente; que tem sensações.
(Lat. sentiens ) in Dicionário Cândido de Figueiredo, 1913

SENCIÊNCIA:

Senciência é a "capacidade de sofrer ou sentir prazer ou felicidade". [1]
[1] SINGER, Peter. Vida ética: os melhores ensaios do mais polémico filósofo da actualidade.
Rio de Janeiro: Ediouro, 2002. ISBN 850001055X. P. 54
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Ainda não foi criado nenhum conteúdo para a página inicial.

E se o Papa for "Pedro"?

Quarta, 13 de Março, 2013

Já várias vezes ouvimos falar no fim do Mundo. Os cataclismos têm andado desencontrados com as datas previsíveis para o extermínio da humanidade ou, pelo menos, para a destruição de uma ordem tal como a conhecemos.

Nostradamus é o mais famoso premonitor e algumas das suas profecias, de tal forma intrincadas e codificadas que dificilmente são entendíveis, julga-se estarem perto da razão em alguns acontecimentos recentes. O último foi o ataque às Torres Gémeas de Nova Iorque, pois muitos viram semelhanças entre o que premonizou Nostradamus e a tragédia que se abateu sobre a “grande cidade nova”, segundo uma das muitas interpretações dos escritos do profeta:

AUTOR: Filomena Marta

O hábito e o monge…

Segunda, 11 de Março, 2013

… ou porque não se levam a sério as mulheres bonitas e sofisticadas.

Hoje deu-me para aqui. Podia ter-me dado para pior, mas a culpa de tudo isto foi uma pequena frase que vi numa rede social.

Analisemos o assunto.

Há mulheres que são bonitas e sofisticadas até quando vestem calças de camuflado, t-shirt e botas da tropa. Não podem fazer nada quanto a isso. 

AUTOR: Filomena Marta

Polícia, p’ra que te quero?

Segunda, 11 de Março, 2013

Há aventuras sem as quais passo perfeitamente bem. Por todos os motivos. Arreliam-me, preocupam-me, enternecem-me e deixam-me basicamente fula da vida.

E ontem tive uma aventura. Uma hora inteirinha de Domingo passada numa via-rápida, com carro parado na faixa de rodagem, de triângulo a postos e a dar o corpinho preocupantemente ao manifesto, porque nunca se sabe quando vem de lá um automobilista desencabrestado e nos leva à frente. Não, não foi uma avaria, nem falta de combustível.

AUTOR: Filomena Marta

Páginas