SENCIENTE:

1. adj. 2 gén. que tem sensações; sensível.
(Lat. sentiente) in Dicionário da língua Portuguesa, Editora, 5ª edição
2. adj. que sente; que tem sensações.
(Lat. sentiens ) in Dicionário Cândido de Figueiredo, 1913

SENCIÊNCIA:

Senciência é a "capacidade de sofrer ou sentir prazer ou felicidade". [1]
[1] SINGER, Peter. Vida ética: os melhores ensaios do mais polémico filósofo da actualidade.
Rio de Janeiro: Ediouro, 2002. ISBN 850001055X. P. 54
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Ainda não foi criado nenhum conteúdo para a página inicial.

Crónica de uma gata emparedada

Terça, 15 de Setembro, 2015

Crónica de uma gata emparedada

Eram 8h30, manhã de uma segunda-feira, meio do mês deste Setembro que se vê cinzento. O meu telemóvel toca e vejo ser uma amiga, que como eu é Protectora Particular de Animais (PPA). Quando uma amiga destas telefona tão cedo adivinhamos problemas.

Há já algum tempo uma gata abandonada, meiga, não aparecia em lado algum, e a preocupação aumentava. Como sempre, recolher animais abandonados, meigos e dóceis, é uma prioridade que dificilmente conseguimos cumprir por falta de capacidade logística. Não se fala sequer na capacidade financeira, pois os PPAs não têm qualquer estatuto reconhecido, dependem integralmente do seu ordenado ao fim do mês para pagar alimentação e cuidados de animais recolhidos e pagar despesas de veterinário com animais doentes e esterilizações. Apenas mais uma falha num sistema nacional e local no que toca a protecção animal. Um PPA faz o que pode, como pode e quando pode, sem capacidade logística nem apoios financeiros e oficiais. Por isso, esta gata ainda não tinha sido recolhida e colocada em segurança, sendo diariamente alimentada e monitorizada...

AUTOR: Filomena Marta

A divisão dos migrantes

Sexta, 11 de Setembro, 2015

A divisão dos migrantes

Anda o Mundo inflamado por uma questão real e extremamente sensível: o tsunami de migrantes que todos os dias dão à costa da Europa. As emoções andam exacerbadas em redes sociais onde tudo e mais um par de botas se comenta, e até pessoas que considerava moderadas e com boa capacidade de raciocínio se entregam a defesas de uma ou outra posição, infelizmente com uma leveza que em nada condiz com esta dramática situação. Dramática para os que chegam em hordas à costa à custa tantas vezes da própria vida, dramática para os que os recebem, sem saber como hão-de recebê-los e o que lhes fazer. 

Não são dez ou vinte, são muitos milhares quase diariamente, e creiam que para qualquer país, principalmente para os de porta de entrada, deve ser uma questão aterrorizante lidar repentinamente e organizar rapidamente o acolhimento e apoio de tantos milhares de almas. Muitas destas almas são ou estão conflituosas, por o serem simplesmente ou porque a angústia da situação assim as transforma.

AUTOR: Filomena Marta

Na pele de Cecil… (ou talvez não!)

Segunda, 17 de Agosto, 2015

Cecil

O Mundo já esqueceu Cecil? Talvez… as notícias têm um rastilho curto, tão curto como a memória dos Homens. Pelo menos por cá, morreu a morte do leão Cecil. Lá fora ainda se fala no cruel evento, no dentista fugido, nas reacções do governo e do povo do Zimbabué. Menos, muito menos, mas ainda se vai falando.

Para já, o dentista veste a pele de Cecil. Um dia é da caça, outro é do caçador, já diz o velho ditado. Agora o caçado é o dentista, o acossado e acusado, mas com a fundamental diferença de que ele pode fugir, enquanto Cecil foi atraído traiçoeiramente com uma carcaça de elefante para fora da reserva, onde o esperava a morte fria e calculada. Alguém disse, e muito bem, que isto não foi uma caçada, foi como a entrega de uma pizza. Que homem tem um instrumento sexual tão diminuto que retire prazer da morte entregue de bandeja de um ser de um portento jamais igualável ao do criminoso? Faz-me lembrar uma anedota, a do homem que fez testes de fertilidade e recebeu como relatório as siglas SSPM: “Só Serve Para Mijar”. Perdoa-se a brejeirice por um bem maior…

AUTOR: Filomena Marta

Páginas